sábado, 25 de setembro de 2010

O desespero de Serra.

José Serra, que no início de sua campanha eleitoral tentou erradamente posar de humilde no horário eleitoral se autodenominando Zé Serra, com um pagode tocante ao fundo, logo percebeu que estava iniciando a campanha erradamente. Aliás, seu parceiro de partido, Fernando Henrique Cardoso fez duras críticas a este modelo de horário eleitoral escolhido pelo PSDB. FHC disse simplesmente que Zé Serra não é Zé e sim José. Ora, convenhamos, José Serra querer pertencer a uma classe que não lhe pertence, tentando sensibilizar o povo de que é moço humilde, provindo de escola pública e que venceu na vida (para angariar votos) não dá! O que passava pela cabeça de Zé?/José Serra? Querer se comparar com um Lula? É obvio! É o desespero de tentar convencer o eleitorado a não votar em uma desconhecida como Dilma.

Acho que a idéia de se fazer um horário eleitoral desta forma, surgiu com o filme de Lula. Só pode ser!

O fato disso tudo é que Serra tenta desesperadamente ganhar as eleições com uma retórica pra lá de barata, apontando os últimos escândalos na Casa Civil e relembrando alguns casos do passado. Lembremos que seu partido aliado (DEM Dinheiro em Meias) representa o antigo PFL, que é a alta direita do Brasil e esteve imerso em escândalos e mais escândalos.

Agora, a questão que está ficando pesada na política de Serra são as duras críticas que este vem fazendo a Dona Dilma após o caso de Erenice Guerra. Serra não está errado, aproveitou a oportunidade para metralhar o PT, que tem o dom de afundar-se. No entanto, Serra encontra-se desesperado, porque sabe que o Brasil nunca esteve em situação tão boa quanto à promoção de sua população. Não é a toa que a frase de Tiririca no horário eleitoral está pegando, porque o Brasil vai bem e, então, podemos nos dar ao luxo de brincar. Caso estivéssemos em um momento de crise, Tiririca seria desconsiderado, o que provavelmente não ocorrerá para maior desespero ainda de Zé.

Apelando para o moralismo típico da direita conservadora de São Paulo, Zé/José Serra se vê perdido com seu partido perdendo as eleições para uma desconhecida. Zé sabe que Lula elegeria qualquer desconhecido, e este fator justamente que os tucanos ainda não entenderam.

Resta a Serra e aos jornalecos de plantão (Arnaldo Jabor a Reinaldo de Azevedo, Neumane Pinto e Diogo Mainardi) continuar a fazer uma coisa só: atacar Lula.




2 comentários:

rafael andolini disse...

e ai... da nada não. deixa o cara ser o que bem quiser. a dilma mandou os brucutus dela foder com a gente lembra? é tudo farinha do mesmo saco. e se uma pode bancar a maria povão deixa o zé fazer o mesmo.
no fim vai todo mundo pro fundo do inferno mesmo.

Gentil disse...

Olá, caro Marco!

Lendo seu texto.

Não comentar porque fiz um enxerto no texto que acabei de escrever, postado no meu espaço - uma declaração de voto.

Mas julgo o Lula, e a Dilma é continuação do governo (se vier a ganhar) que é continuação do governo FHC, que, com algumas mudanças, é seguencia do governo privatista de Collor.

Em resumo, Lula sem a base que o deu legitimidade, os trabalhadores, as comunidades de bases e as analises do pensamento crítico nacional e americano, é mito, é um produto da videologia, da sociedade do espetaculo.

Lá digo que o Serra deixa de ser coerente quanto acuado pelo mito Lula abra mão de sua história para... e aí tu tens razão.

Abraço